Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: mktime(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/eventos/eventos.php on line 288

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 416
Terceiro Relatório da ECRI sobre Portugal | GMCS
Última atualização: 20-04-2017 16:45:56
Imprimir
Página atualizada em 02-06-2014 11:59:56

Terceiro Relatório do Conselho da Europa sobre o Racismo e a Intolerância em Portugal

Relatório elaborado pela

Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI)

Adoptado em 30 de Junho de 2006
Publicado em 13 de Fevereiro de 2007

Nota Prévia: publica-se nesta página a parte do Relatório relativa aos "Meios de Comunicação Social" (Pagrafos 84-87, páginas 25-26). No final desta página apresenta-se a ligação para o texto integral do Relatório.


Meios de Comunicação Social
 

84. As ONG estão de acordo em dizer que em matéria de luta contra o racismo e a intolerância, os meios de comunicação social têm um papel preponderante a desempenhar em Portugal, porquanto eles influenciam muito a opinião pública. Por isso, a ECRI está preocupada com a informação de que certos meios de comunicação, em particular a televisão, transmitem estereótipos e preconceitos racistas. E cita como exemplo o incidente que ocorreu na praia de Carcavelos, no dia 10 de Junho de 2005. Alguma comunicação social apresentou imagens de jovens negros a fugir e de agentes da polícia com armas na praia. Os meios de comunicação relataram o incidente como um "arrastão", isto é, um roubo "por arrastamento", envolvendo 500 jovens, principalmente de origem imigrante, e que tinham supostamente atacado as pessoas na praia para lhes roubar os seus bens. Afinal, a polícia declarou que o problema foi causado por um máximo de 30 a 40 pessoas e que os jovens que foram mostrados em fuga estavam a fazê-lo com os seus próprios bens, em virtude de um movimento de pânico e na confusão geral. Uma única queixa por roubo terá sido apresentada na polícia. A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) fez uma declaração pública no dia 21 de Junho de 2005, condenando a atitude dos meios de comunicação social envolvidos e apelando para que corrigissem a informação inexacta. Estudos revelaram que este incidente levou a uma onda de hostilidade contra os imigrantes, não só nos meios de comunicação social como também entre o público em geral.
 

85. A CICDR tomou também uma posição pública, no dia 10 de Abril de 2006, sobre referências na comunicação social à nacionalidade, à origem étnica, à religião ou ao estatuto jurídico a partir de fontes oficiais, reagindo assim ao número excessivo de casos nos quais tais elementos foram mencionados e que apenas servem para estigmatizar certos grupos e aumentar os preconceitos.
 

86. A ECRI nota, contudo, que estudos têm revelado uma tendência positiva na comunicação social, que está a mostrar um interesse maior para com a cultura e a identidade dos grupos minoritários. A ECRI saúda as boas práticas, tais como o programa de televisão "Nós", ao qual é atribuído um espaço diário de 20 minutos e mais outro semanal de uma hora. Este programa é difundido desde 2004 e visa reflectir a existência de uma sociedade pluralista, multicultural e harmoniosa. Além disso, foi instituído em 2002 um prémio anual, o Prémio "Imigração e Minorias Étnicas - Jornalismo pela Tolerância", destinado a jornalistas de todos os meios de comunicação social, visando promover a tolerância e a integração, combater todas as formas de racismo e de discriminação e contribuir para uma compreensão das diferenças culturais, religiosas e étnicas.


Recomendação

87. A ECRI encoraja as autoridades portuguesas a que, sem prejuízo da sua independência editorial, façam compreender aos meios de comunicação social que é seu dever zelar para que a apresentação da informação não contribua para instalar um clima de hostilidade e de rejeição para com os membros de qualquer grupo minoritário, incluindo os imigrantes e os ciganos. A ECRI recomenda às autoridades portuguesas que encetem diálogos com os meios de comunicação social e outros actores relevantes da sociedade civil sobre a melhor forma de alcançar este objectivo. 
 


Texto integral e oficial do Relatório

Português  /  Inglês  /  Francês 

Imprimir
Página atualizada em 02-06-2014 11:59:56