Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: mktime(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/eventos/eventos.php on line 288

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 416
Rádio | GMCS
Última atualização: 20-04-2017 16:45:56
Imprimir
Página atualizada em 10-07-2014 09:36:24

Breve Retrospetiva Histórica


Os primeiros passos da história da rádio em Portugal remontam a 1914, com a criação da primeira estação portuguesa, a Rádio Hertz, fundada por Fernando Medeiros. Todavia, as primeiras emissões radiofónicas de carácter regular só ocorrem em 1925, com a estação amadora CT1AA, de Abílio Nunes dos Santos, com antena instalada no alto dos Grandes Armazéns do Chiado, que eram propriedade da sua família. A partir de então, começam a despontar outras estações amadoras. Jorge Botelho Moniz funda uma das mais importantes estações das décadas de 30/40, o Rádio Clube Português (1928), designado por Rádio Clube da Costa do Sol/CT1GL.

Em 1930, é criada a Direcção Geral dos Serviços Radioeléctricos, que fica sob a dependência dos CTT – Correios, Telégrafos e Telefones, e é autorizada a compra de dois emissores (ondas média e curta). Passa a ser considerado monopólio estatal todo o serviço de radiotelegrafia, radiotelefonia, radiodifusão e radiotelevisão (Decreto n.º 17899, de 29 de Janeiro de 1930).

Em 1933, realizam-se as primeiras emissões experimentais da Emissora Nacional, cuja inauguração oficial ocorre a 1 de Agosto de 1935. Por sua vez, a emissora católica Rádio Renascença, começa a emitir com regularidade em 1937, em onda média.

Criada à semelhança de congéneres estrangeiras, a Emissora Nacional assume-se como a voz do regime, servindo como órgão privilegiado de propaganda do Estado Novo. Este, cedo se apercebe das potencialidades do novo medium e não o dispensa ao longo da sua acção governativa.

Em 1940, a Emissora Nacional liberta-se da tutela dos CTT, tornando-se um organismo autónomo  (Decreto n.º 30752, de 14 de Setembro de 1940, que foi posteriormente revogado pelo Decreto-Lei n.º 41484, de 30 de Dezembro de 1957). Nesta altura - 1940 - inicia-se o modelo de implantação regional no Continente e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, que corresponde, grosso modo, ao modelo actual.

Ao longo da década de 50, assiste-se a um salto qualitativo em termos técnicos e de programação. Em 1954, a Emissora Nacional começa a transmitir o serviço de ondas curtas para a Ásia, em inglês. Três anos depois, os estúdios e serviços de onda curta são instalados na Rua de S. Marçal, em Lisboa, constituindo um dos mais avançados centros emissores para a época.

No início de 1957 havia 534.063 aparelhos de rádio no país, valor que ultrapassava 1 milhão e meio em 1975.

A partir de 1975 deixa de ser possível proceder ao recenseamento do número de aparelhos de rádio, uma vez que o Decreto-Lei n.º 389/76, de 24 de Maio, aboliu o licenciamento e  as taxas de radiodifusão sonora de aparelhos radiorreceptores – que  tinham sido criadas pelo Decreto n.º 41 486, de 30 de Dezembrode 1957 e instituiu uma nova taxa de radiodifusão sonora, cobrada mensalmente, aos consumidores domésticos, através das facturas de electricidade (Decreto-Lei citado e Portaria n.º 686/77, de 12 de Novembro). A taxa – que era actualizada periodicamente – vigorou até 31 de Agosto de 2003, altura em que foi substituída pela contribuição para o audiovisual, criada pela Lei n.º 30/2003, de 22 de Agosto.

O Decreto-Lei n.º 674-C/75, de 2 de Dezembro, procede à nacionalização das estações de rádio, incluindo o Rádio Clube Português, concentrando-as na EPR – Empresa Pública de Radiodifusão, com excepção da Rádio Renascença e de dois outros postos de pequena dimensão.

Entretanto, o Estado e a Igreja reforçam as suas posições no domínio da radiodifusão sonora. Em 1976, a Emissora Nacional e as restantes estações nacionalizadas adoptam a designação de RDP - Radiodifusão Portuguesa, E.P., cujos estatutos foram aprovados pelo Decreto-Lei n.º 274/76, de 12 de Abril.

A Rádio Renascença ganha influência crescente, conseguindo mesmo aceder à onda curta, o que constituiu uma excepção no âmbito das estações privadas europeias.

Em 1977, na Conferência Administrativa Mundial de Radiocomunicações, o limite superior de banda destinada ao FM é estendido a 108 MHz, aumentando para cerca de 400 o número possível de emissores regionais/locais.

Em meados dos anos 80, dá-se o boom das rádios livres ou “rádios piratas”, uma série de estações que emergem num quadro de ausência de qualquer disciplina legal. “O sucesso destas estações adveio-lhes da novidade, da inexperiência, do imprevisto da comunicação, da linguagem popular que as aproximou definitivamente do grande público, ganhando uma força cada vez maior e captando o investimento publicitário.” ("Breve Perspectiva Histórica da Rádio em Portugal", de Virgílio Luís Silva e Florbela Silva, p. 18). Outro factor do seu êxito residiu na abordagem dos problemas locais e regionais, muitas vezes ignorados pelas estações nacionais.

Na década de 80, a rádio atinge a sua maturidade como meio de comunicação de massa, num figurino onde coexistem estações licenciadas e estações “piratas” à espera de legalização.

Todavia, em 1986, é notória a necessidade de proceder ao reordenamento do espaço radiofónico, considerado um meio escasso.

A sempre adiada Lei da Rádio, acaba por surgir no ano seguinte (Lei n.º 8/87, de 11 de Março, alterada e republicada em anexo à Lei n.º 2/97, de 18 de Janeiro). Contudo, só a aprovação de um novo diploma — Lei n.º 87/88, de 30 de Julho — viria permitir o aparecimento de rádios locais, devidamente enquadradas por lei. Este diploma, que vigorou por mais de doze anos, foi revogado pela Lei n.º 4/2001, de 23 de Fevereiro, que, por sua vez, foi revogada pela Lei n.º 54/2010, de 24 de Dezembro, em vigor.

Ainda em 1988, algumas estações de rádio (incluindo a RDP) começam a utilizar o sistema RDS (Radio Data System). Em colaboração com a Radio France, a RDP procede às primeiras emissões ponto a ponto via satélite.

Em 4 de Novembro de 1988, o Governo abre concurso público para a atribuição de alvarás às rádios locais, tendo sido autorizadas a emitir no ano seguinte 314 estações. Enquanto o concurso decorre, as estações “piratas” são obrigadas a cessar as suas emissões.

No início da década de 90, as principais estações portuguesas começam a utilizar o serviço telefónico da INMARSAT que veio facilitar o trabalho das equipas de reportagem, possibilitando o envio de notícias e reportagens a partir de qualquer ponto do globo, via satélite. Em 1992, a RDP e a Rádio Renascença utilizam, pela primeira vez, satélites de radiodifusão.

Entre 1992 e 1993, decorre o processo de privatização da Rádio Comercial. (Decretos-Leis n.ºs 198/92, de 23 de Setembro, e 260/92, de 24 de Novembro; Resolução do Conselho de Ministros n.º 1/93, de 2 de Janeiro). Sucedânea do ex-Rádio Clube Português, tinha adoptado a denominação de RDP - Rádio Comercial, enquanto estação pública pertencente à RDP, E.P.

Com o Decreto-Lei n.º 2/94, de 10 de Janeiro, a RDP transforma-se em sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos, com a designação RDP - Radiodifusão Portuguesa, S. A.. Passados treze anos, a Lei n.º 8/2007, de 14 de Fevereiro aprova os novos Estatutos da Rádio e Televisão de Portugal (RDP e RTP).

Em 2000, a RDP – juntamente com a Radiotelevisão Portugues (RTP) e a Agência LUSA – passa a fazer parte da sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos denominada "Portugal Global, SGPS, S.A.", criada pelo Decreto-Lei n.º 82/2000, de 11 de Maio, alterado pelo Decreto-Lei n.º 2/2002, de 4 de Janeiro.

A Portugal Global foi extinta pela Lei n.º 33/2003, de 22 de Agosto, que aprovou a reestruturação do sector empresarial do Estado na área do audiovisual. Entre outras alterações, este novo diploma transformou a Radiotelevisão Portuguesa, S. A., sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos, numa sociedade gestora de participações sociais, denominada Rádio e Televisão de Portugal, SGPS, S. A. e aprovou os respectivos estatutos.

A Lei n.º 33/2003, de 22 de Agosto foi, entretanto, revogada pela Lei n.º 8/2007, de 14 de Fevereiro, que procedeu reestruturação da concessionária do serviço público de rádio e televisão (Rádio e Televisão de Portugal), alterada pela Leis n.ºs  8/2011, de 11 de Abril, e 39/2014, de 9 de julho, tendo esta última aprovado os novos estatutos da Rádio e Televisão de Portugal.

Para ficar a saber mais sobre a história da rádio no nosso país, consulte a Rádio e Televisão de Portugal e a Rádio Renascença.

Imprimir
Página atualizada em 10-07-2014 09:36:24