Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: mktime(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/eventos/eventos.php on line 288

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 416
Conclusões do Conselho Europeu, de 10 de maio de 2012, sobre a | GMCS
Última atualização: 20-04-2017 16:45:56
Imprimir
Página atualizada em 01-08-2014 15:11:22

Conclusões do Conselho Europeu, de 10 de maio de 2012, sobre a digitalização e a acessibilidade em linha de material cultural e a preservação digital

Conclusões do Conselho, de 10 de maio de 2012, sobre a digitalização
e a acessibilidade em linha de material cultural e a preservação digital

(2012/C 169/02) 

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

CONSIDERANDO QUE:

- a digitalização e a acessibilidade em linha do material cultural dos Estados-Membros e a sua preservação digital a longo prazo são essenciais para permitir o acesso de todos à cultura e ao conhecimento na era digital e para promover a riqueza e a diversidade do património cultural europeu;

- o material cultural digitalizado constitui um importante recurso para as indústrias culturais e criativas europeias [1]. A digitalização e a acessibilidade em linha do património cultural dos Estados-Membros, consideradas num contexto nacional e transfronteiras, contribui para o crescimento económico e a criação de emprego, assim como para a realização do mercado único digital graças a uma maior oferta de produtos e serviços em linha novos e inovadores;

- haverá que coordenar as ações empreendidas a nível europeu para criar sinergias entre os esforços desenvolvidos à escala nacional e garantir que a acessibilidade em linha do património cultural europeu atinja uma massa crítica;

- o quadro dos esforços de digitalização e colaboração a nível europeu mudou desde que o Conselho adotou conclusões em 2006 sobre a digitalização e a acessibilidade em linha de material cultural e a preservação digital [2]. Lançada em 2008, a Europeana constitui o ponto comum de acesso multilingue ao património cultural digital da Europa, tendo sido definida nas conclusões do Conselho subordinadas ao tema "Europeana: próximas etapas" [3], a agenda para que continue a ser desenvolvida;

1. ACOLHE COM AGRADO:

- a recomendação da Comissão, de 27 de outubro de 2011, sobre a digitalização e a acessibilidade em linha de material cultural e a preservação digital [4] (2011/711/UE), enquanto parte da Agenda Digital para a Europa [5];

2. RECONHECE:

- o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido nos Estados-Membros para digitalizar e tornar acessível em linha o material de instituições culturais, bem como os esforços envidados no sentido de financiar a digitalização num período de crise económica;

- o valioso trabalho realizado pela Europeana, pelas instituições dos Estados-Membros e pelos agregadores nacionais que para ela contribuem em termos de conteúdo e coordenação;

- que apesar dos progressos alcançados na digitalização do património cultural europeu, são necessárias novas medidas para tornar este património num ativo duradoiro para os cidadãos europeus e para a economia na era digital;

3. SUBLINHA:

- a necessidade de pôr em relevo a riqueza do património cultural no ambiente em linha e de promover a criação de conteúdos e de novos serviços em linha enquanto parte integrante da sociedade da informação e da sociedade baseada no conhecimento;

- a importância vital de garantir a viabilidade a longo prazo da Europeana, nomeadamente em termos de governação e de financiamento, e a necessidade de a desenvolver ainda mais enquanto ponto comum de acesso multilingue ao património cultural digital da Europa e valioso recurso para as indústrias criativas, melhorando, nomeadamente, a qualidade e a variedade do material cultural digitalizado de todas as categorias (texto, audiovisual, objetos museológicos, registos de arquivo, etc.);

- a necessidade de um esforço de colaboração dos Estados-Membros e da Comissão para promover normas de qualidade e técnicas para os conteúdos inseridos na Europeana;

- a necessidade de se prosseguirem os trabalhos em torno das normas técnicas para a digitalização e os metadados, nomeadamente no quadro da Europeana, em benefício tanto da acessibilidade como da preservação a longo prazo do material digital;

- a ideia subjacente de trabalhar com todos os parceiros relevantes para evitar que o material acessível graças à Europeana caia num "buraco negro do século XX" e a necessidade de disponibilizar, através do seu sítio, mais material protegido por direitos de autor;

- a necessidade de promover ativamente acordos voluntários [6] em torno da digitalização em larga escala e da disponibilização em linha de obras já não comercializadas e de tomar as medidas necessárias para oferecer a certeza jurídica exigida a nível nacional e no contexto transfronteiras;

- que a digitalização e a acessibilidade em linha do património cultural europeu deverão processar-se no pleno respeito pelos direitos de propriedade intelectual;

4. REGISTA:

- o relatório intitulado "O Novo Renascimento" [7], elaborado pelo grupo de reflexão ("Comité dos Sábios") sobre a disponibilização em linha do património cultural europeu e a recente proposta legislativa da Comissão relativa às infraestruturas de serviços digitais, nomeadamente sobre o financiamento da Europeana, enquanto parte do mecanismo "Interligar a Europa" [8], bem como as propostas sobre as obras órfãs [9] e a reutilização de informações do setor público [10];

5. CONVIDA OS ESTADOS-MEMBROS A:

- tomarem as medidas necessárias em conformidade com as prioridades delineadas no anexo com vista a:

- consolidarem as suas estratégias e metas para a digitalização de material cultural;

- consolidarem a organização da digitalização e a atribuição de financiamento para a digitalização, nomeadamente através da promoção de parcerias público-privadas;

- melhorarem as condições-quadro para a acessibilidade e utilização em linha de material cultural;

- contribuírem para um maior desenvolvimento da Europeana, incentivando, nomeadamente, as instituições culturais a colocarem no seu sítio todo o material cultural digitalizado de relevo;

- assegurarem a preservação digital a longo prazo;

tendo simultaneamente em conta os diferentes níveis de progresso registados na digitalização, e as abordagens da mesma, bem como todos os esforços de consolidação orçamental em curso nos Estados-Membros;

6. CONVIDA A COMISSÃO A:

- continuar a apoiar a Europeana enquanto ponto de acesso multilingue comum ao património cultural digital da Europa, em conformidade com as conclusões do Conselho de 2010 sobre a Europeana;

- recolher, analisar e divulgar os resultados e experiência adquiridos a nível nacional e da União; apresentar, com base nisso, de dois em dois anos, um relatório sobre os progressos alcançados na digitalização, na acessibilidade em linha e na preservação digital;

- apoiar o intercâmbio de informação e de boas práticas, inclusive sobre parcerias público-privadas e normas de digitalização;

7. CONVIDA OS ESTADOS-MEMBROS, A COMISSÃO E A EUROPEANA A, NO ÂMBITO DAS RESPETIVAS COMPETÊNCIAS:

- prosseguirem, em conformidade com as conclusões do Conselho de 2010 sobre a Europeana, os trabalhos sobre o roteiro de conteúdos para a Europeana, nomeadamente as obras-primas do património cultural europeu selecionadas nos diferentes Estados-Membros;

- sensibilizarem o grande público para a Europeana;

- promoverem a utilização inovadora do material acessível através da Europeana e dos metadados correspondentes, respeitando plenamente os direitos de propriedade intelectual;

- desenvolverem ainda mais a Europeana como ponto de acesso convivial;

- registarem progressos concretos nas discussões sobre a estrutura de governação da Europeana.

________________

NOTAS:

[1] De acordo com o Relatório sobre a Competitividade Europeia de 2010, as indústrias criativas representam 3,3 % do PIB da UE e 3 % dos postos de trabalho na UE.

[2] JO C 297 de 7.12.2006, p. 1.

[3] JO C 137 de 27.5.2010, p. 19.

[4] JO L 283 de 29.10.2011, p. 39.

[5] COM(2010) 245 final/2.

[6] Em 20 de setembro de 2011, os representantes das partes interessadas assinaram em Bruxelas um memorando de entendimento sobre os princípios essenciais para a digitalização e a disponibilização de obras já não comercializadas, na sequência de um diálogo entre as partes interessadas, patrocinado pela Comissão.

[7] http://ec.europa.eu/information_society/activities/digital_libraries/comite_des_sages/index_en.htm

[8] COM(2011) 665 final/3.

[9] COM(2011) 289 final.

[10] COM(2011) 877 final.

--------------------------------------------------

ANEXO

Ações prioritárias e calendário indicativo

O quadro de atividades e objetivos sugerido constitui um roteiro indicativo dos trabalhos a desenvolver pelos Estados-Membros nos anos de 2012-2015.

1. Consolidar as suas estratégias e metas para a digitalização de material cultural:

Consolidando, até ao final de 2012, os objetivos para a digitalização e mantendo ou, quando adequado, elevando a prioridade atribuída à digitalização

Desenvolvendo, até 2013, normas para a seleção do material a digitalizar e a forma de o apresentar em linha e implementando as normas técnicas que garantam a interoperabilidade e a migração dos conteúdos. No que respeita ao material do domínio público, as normas deverão incentivar um acesso tão alargado quanto possível à reutilização e desincentivar o uso de marcas de água ou outras medidas de proteção visual intrusivas que diminuam a facilidade de utilização

Acompanhando mais de perto os progressos registados na digitalização, a fim de traçar panorâmicas a nível nacional e de contribuir para uma visão de conjunto a nível europeu

Contribuindo, até ao final de 2013, para a avaliação pela Comissão dos progressos registados na digitalização e na preservação digital a nível europeu

2. Consolidar a organização da digitalização e a atribuição de financiamento para a digitalização, nomeadamente através da promoção de parcerias público–privadas:

Incentivando a criação de parcerias público–privadas na área da digitalização entre instituições culturais e entidades privadas, tomando como ponto de partida os critérios delineados na Recomendação 2011/711/UE da Comissão

Utilizando, se adequado, os Fundos Estruturais da UE para cofinanciar as atividades de digitalização [1]

Promovendo medidas destinadas a otimizar a capacidade de digitalização de modo a obter economias de escala, tendo em mente todo o potencial de colaboração transfronteiras

3. Melhorar as condições-quadro para a acessibilidade e utilização em linha de material cultural:

Assegurando que, em princípio, o material do domínio público continuará no domínio público após a digitalização, respeitando plenamente os direitos de propriedade intelectual

Promovendo acordos voluntários das partes interessadas e outros mecanismos que facilitem a digitalização e a acessibilidade em linha de obras já fora do comércio

4. Contribuir para um maior desenvolvimento da Europeana:

Incentivando as instituições culturais, os editores e outros titulares de direitos a disponibilizarem, através da Europeana, o material que digitalizam, tendo em conta as metas indicativas do contributo mínimo em conteúdos para a Europeana estabelecidas no Anexo II da Recomendação 2011/711/UE da Comissão

Disponibilizando uma vasta seleção de obras e objetos de valor cultural e histórico através da Europeana, nomeadamente as obras-primas selecionadas nos diferentes Estados-Membros

Concluindo, até ao final de 2012, os roteiros para a introdução de conteúdos na Europeana em conformidade com as conclusões do Conselho de 2010, tendo em conta a necessidade de inserir material de relevo, já digitalizado, na Europeana

Promovendo a agregação a nível nacional, por exemplo criando agregadores nacionais, ou reforçando os que já existem, e contribuindo para a criação de agregadores transfronteiras

Incentivando a utilização de normas de digitalização comuns e o uso sistemático de identificadores permanentes

Incentivando a disponibilidade generalizada e gratuita dos metadados que as instituições culturais fornecem à Europeana, tendo em vista a sua reutilização e aplicações inovadoras

Sensibilizando o grande público para a Europeana, dando particular atenção às crianças e aos jovens

5. Assegurar a preservação digital a longo prazo:

Promovendo e consolidando as estratégias de preservação digital a longo prazo, acompanhando-as de planos de execução

Trocando entre si informações sobre estratégias e planos de ação na área da preservação digital a longo prazo

Garantindo, em termos de enquadramento jurídico, as condições necessárias à preservação digital a longo prazo no que respeita à possibilidade de as instituições públicas procederem a cópias múltiplas e à migração do material cultural digital para fins de preservação, respeitando plenamente a legislação internacional e da União Europeia em matéria de direitos de propriedade intelectual

Adotando as disposições legais necessárias ao depósito do material criado em formato digital, por forma a garantir a sua preservação a longo prazo

Tendo em conta a evolução registada noutros Estados-Membros ao definir ou atualizar as políticas e procedimentos de depósito de material criado de raiz em formato digital, a fim de evitar grandes variações no regime de depósito

Assegurando a produção de metadados descritivos e técnicos, assim como de identificadores permanentes em número suficiente enquanto parte integrante dos processos de digitalização ou aquando da criação de material digital de raiz

[1] As presentes conclusões não prejudicam as negociações sobre o próximo quadro financeiro plurianual.


Texto oficial das Conclusões

Imprimir
Página atualizada em 01-08-2014 15:11:22