Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 623

Warning: mktime(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/eventos/eventos.php on line 288

Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/gmcspt/public_html/frontend/paginas/paginas_ui.php on line 416
Breve Retrospectiva Histórica | GMCS
Última atualização: 20-04-2017 16:45:56
Imprimir
Página atualizada em 09-04-2014 15:07:19

Breve Retrospetiva Histórica

Só em 1944 são dados os primeiros passos para a criação de uma agência noticiosa em Portugal.

Em 31 de Dezembro desse ano dá-se início ao serviço noticioso denominado Lusitânia, prestado pela Agência Noticiosa Lusitânia, que serviu de veículo de propaganda do Estado Novo e das teses colonialistas da época.

Em 1947 é criada um outra agência, a ANI - Agência Noticiosa de Informação, igualmente conotada com a propaganda do regime ditatorial, deposto em 25 de Abril de 1974.

A partir desta altura (1947), passam a coexistir duas agências noticiosas: Lusitânia e ANI, situação que se manteria até depois do 25 de Abril.

Se antes as duas agências estavam conotadas com o regime do Estado Novo, no período pós-25 de Abril passaram a constituir-se como divulgadoras do programa do Movimento das Forças Armadas (MFA).

Por despacho ministerial, de 19 de Novembro de 1974, é determinado o encerramento da Lusitânia (publicação no “Diário do Governo”, II Série, n.º 275, de 26 de Novembro do mesmo ano).

Por sua vez, a ANI - que tinha sido adquirida pelo Estado em 8 de Novembro de 1974 - é dissolvida pelo Decreto-Lei n.º 523/75, de 24 de Setembro, transferindo-se todo o seu activo e passivo, assim como os seus direitos e obrigações, para a “ANOP - Agência Noticiosa Portuguesa”, empresa pública criada pelo Decreto-lei n.º 330/75, de 1 de Julho.

A ANOP veio a constituir-se como uma fonte de informação fundamental para a maioria dos media portuguesas, nomeadamente da imprensa.

A partir de 1980-1981, a agência ANOP começa a entrar num período conturbado, caracterizado por dificuldades financeiras e encerramento de delegações.

Em 1982, o Governo decretou a extinção da ANOP e promoveu a constituição de outra agência noticiosa – a NP - Notícias de Portugal – com a natureza jurídica de sociedade cooperativa de responsabilidade limitada, cuja escritura é celebrada em 25 de Agosto de 1982, tendo os estatutos sido publicados na III Série do "Diário da República", de 21 de Setembro de 1982. A “Notícias de Portugal” inicia a sua actividade em 1 de Novembro de 1982.

Entretanto, o Presidente da República veta a extinção da ANOP. Em consequência desta situação, passam a coexistir duas agências noticiosas: uma pública (ANOP) e outra privada (NP - Notícias de Portugal). Ambas as agências são apoiadas, em bases financeiras iguais (cerca de 65% do seu orçamento), pelo erário público, através de contratos de prestação de serviços.

Em 1984, a ANOP é declarada em situação económica difícil pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 20/84 (prorrogação por mais um ano, em 4 de Maio de 1985 - Despacho conjunto A-41/85-IX).

No decurso de 1986 as partes envolvidas - Governo, ANOP e NP - impulsionam o processo que conduzirá, no final do ano, à extinção da ANOP e à criação da Agência LUSA:

  • em 28 de Novembro, é autorizada a constituição de uma única agência noticiosa de âmbito nacional (Resolução do Conselho de Ministros n.º 84/86);
  • em 12 de Dezembro, é formalizada a escritura de constituição da nova agência que adopta a denominação de “Agência LUSA - Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada”, abreviadamente, “LUSA - C.I.P.R.L.”. A escritura foi publicada na III Série do "Diário da República", n.º 48, de 26 de Fevereiro de 1987;
  • em 30 de Dezembro, é extinta a ANOP pelo Decreto-Lei n.º 432-A/86, de 30 de Dezembro. Este diploma entrou em vigor em 1 de Janeiro de 1987;
  • em 13 de março de 2014, procede-se ao encerramento do processo de liquidação da ANOP, através do Despacho n.º 3891/2014.
Imprimir
Página atualizada em 09-04-2014 15:07:19